sexta-feira, dezembro 10, 2010

Entrevista a José Júnior: "Não aconteceram ataques nas eleições, porque nós falámos com o tráfico"

Ele é o homem que entrou no Complexo do Alemão para falar com os traficantes, antes da conquista militar. Nesta entrevista revela como a mediação do seu grupo evitou ataques durante as eleições e lê a carta que o líder do Comando Vermelho lhe enviou agora, com elogios. Mas há traficantes que o querem matar.
Argola na orelha, cabeça rapada, tatuagens de deuses orientais nos braços, José Júnior (foto) fez do AfroReggae a mais influente ONG social do Brasil. Está com 42 anos, no 12.º andar de um prédio no velho bairro da Lapa, Rio de Janeiro. Lá em baixo são as ruas pobres onde cresceu. Aqui em cima há gente reunida dentro de cubos de vidro, e no gabinete dele, todo branco, Che Guevara em convívio com Björk, fase gueixa-do-futuro. "Gosto do visual."
Quando o P2 chega, à hora marcada, Júnior conversa com um dos polícias civis que esteve na tomada do Alemão, Beto Chaves. Depois entrará ainda o pastor evangélico Rogério Menezes, também mediador do AfroReggae.

Como foi feito o contacto para mediar no Complexo do Alemão?

O AfroReggae trabalha no Alemão há nove anos, conhecemos várias lideranças comunitárias, traficantes, moradores. Então, primeiro os moradores me pediram para ir lá, durante a confusão dos ataques...

Os incêndios, os arrastões na Zona Zul do Rio de Janeiro.

É. E depois do que aconteceu na Vila Cruzeiro [onde o Exército entrou antes de no Complexo do Alemão], algumas lideranças comunitárias, e alguns traficantes também, me ligaram. Se eu poderia ajudar a não ter banho de sangue.

O que lhe disseram os traficantes do Alemão?

Que não queriam o confronto, porque sabiam que poderiam morrer, e também que esses confrontos poderiam atingir os moradores.

A verdade é o seguinte: estavam preocupados com as vidas e os negócios deles. O que acharam que poderia acontecer era: "A gente não vai mais ordenar ataques, não vai gerar mais nenhum tipo de problema..." E a partir daí achavam que a Polícia, o Exército iam embora. Isso iria evitar um banho de sangue e eles não precisariam se entregar.

Paramos com os ataques e a Polícia vai embora: era esta a proposta?

Não falaram dessa forma, mas a essência era essa. Não diziam que tinham participado dos ataques. Alguns até não participaram mesmo, e outros participaram.

Achei que era uma coisa de não querer perder o território, não querer perder a vida, e não querer ir para o confronto. Não por estarem conscientes, mas por saberem que iam perder.

Porque tinham visto o que se passou na Vila Cruzeiro, o Exército e a Marinha chegando com 800 homens, blindados, é isso?

É. E na Vila Cruzeiro não teve banho de sangue. Os traficantes do Alemão também queriam evitar isso, porque sabiam que esse sangue seria o deles. Era questão mesmo de medo, o interesse de quem não quer morrer. O ser humano quando está acuado tenta de todas as formas. A prova disso é que ficaram anos falando que se a Polícia entrasse iam receber à bala, e na Vila Cruzeiro teve uma resistência num primeiro momento, mas quando viram os blindados da Marinha perceberam que não tinha jeito. Aí teve aquela fuga [de uns 200 homens, captados por um helicóptero da Globo].

A ordem para os ataques que puseram o Rio em pânico veio do Alemão? Isso é claro?

Não sei se é claro. A confusão de Vila Cruzeiro com o Complexo do Alemão é muito grande. Se você fizer um google e colocar Vila Cruzeiro, vai ver que várias matérias dizem "Vila Cruzeiro, no Complexo do Alemão", quando a Vila Cruzeiro é no Complexo da Penha. Então, se [a ordem] partiu do Alemão ou da Penha, não posso te afirmar. Seria leviano. O que posso te afirmar é que esses ataques partiram de um poder central [da facção que domina esses dois complexos: Comando Vermelho].

Eram uma retaliação contra as UPP [Unidades de Polícia Pacificadora, que ocupam já 13 favelas]?

Acredito que sim. Quando você bota uma UPP, atinge os interesses deles. Imagina, você tem uma locadora de filme [clube de vídeo]. Aí chega o Blockbuster e acaba com as locadoras de todo o mundo. A UPP é a Blockbuster.

E porque não fizeram os ataques na campanha eleitoral? Não seria mais eficaz como protesto?

Rolaram algumas mediações para que isso não acontecesse.

Com o Governo?

Não. Mediações com pessoas para evitar os ataques. Por isso é que não aconteceu. [Pausa] Vou-te falar verdade: não aconteceu, porque nós mediámos para não acontecer no primeiro turno. Não foi a pedido do Governo, não. Fizemos isso porque quisemos. A gente sabia, e entrou no circuito para não acontecer.

Então você mediou...

Nós. Do AfroReggae. Não sou eu.

Ok, um grupo. Liderado por você, presumo?

Mas o Rogério [Menezes] participou também. Outras pessoas participaram. Inclusive a informação [de que poderia haver ataques em preparação] chegou para o Rogério e o Rogério falou para mim. Não estou falando isso porque sou generoso, mas porque é verdade.

A iniciativa partiu de quem?

De nós.

E foi feita com quem?

Ah, não vou-te falar.

Com o Complexo do Alemão, com a Penha?

Também não vou-te falar. Você tem suas fontes, eu tenho as minhas, se eu te revelar minhas fontes, elas podem morrer. E as fontes são desde traficantes a pessoas que não têm nada a ver com o crime e sabem o que está acontecendo. Fizemos essa mediação para que não acontecesse no primeiro turno. Tinha outro período em que eles queriam fazer também [ataques], no início do ano. Tinha várias situações.

Nós trabalhamos nos presídios [onde estão muitos traficantes, e de onde partem ordens de ataques]. O AfroReaggae tem 75 projectos. Trabalha em Bangu II, Bangu III, Bangu IV, Bangu VI, Talavera Bruce [nomes de cadeias]. Então, fazemos trabalho em diversos presídios, diversas favelas e diversas facções do narcotráfico. Temos um projecto que encaminha ex-presidiários e ex-traficantes para trabalhar em empresas privadas, inclusive tem uma pessoa que foi de cada facção trabalhando aqui, encaminhando. Tem ex-traficante do Terceiro Comando, do ADA [Amigos dos Amigos], do Comando Vermelho, e essa semana agora começa a trabalhar um cara que foi da milícia. Era PM [Polícia Militar], foi preso, voltou para a milícia e saiu da milícia. Começa essa semana a trabalhar.

Voltando à negociação no Alemão. Você lá foi no sábado [véspera da invasão militar]. O que é que aconteceu?

Me pediram para ir lá, eu fui. Sugeri que não fossem para o confronto, que abandonassem as armas, que se entregassem. Mas o mérito todo é da polícia, do governador. A gente só sugeriu.

O que é que eles responderam?

Tinha gente querendo se entregar, tinha gente... Ninguém queria ir para o confronto. Ninguém. Não teve um que falou: "Ah, vamos partir para dentro." Ninguém falou isso.

Para dentro?

"Vamos dar tiro." Ninguém falou isso.

Então o clima já era de recuar.

Quando cheguei lá, vi um grupo armado arrasado, fisicamente, emocionalmente, psicologicamente.

Um grupo de quantos?

De 40, 60. No lugar onde fui. Mas tinha mais gente.

Estamos a falar ao todo de centenas?

Não quero ser leviano e falar de números. Teve muita gente falando muita coisa que são inverdades, pessoas inclusive que nunca foram no Alemão, que nunca foram na Penha, que acham que sabem algumas coisas. Eu prefiro não utilizar artifícios sobre o que não sei. Eu não sei mesmo quantos. E acho que a maioria das pessoas não sabe.

Então você encontrou esse grupo de 40, 60. E combinou o quê com eles?

Conversei. Já conhecia a maioria. Sugeri que largassem as armas. A minha ida lá não foi para se entregarem. Foi para não ter o banho de sangue. Tenho hoje muitos amigos. O inspector Beto Chaves, que está aqui agora, é policial civil, trabalha com a gente, estava na operação do Alemão. Tenho moradores amigos, vários traficantes. O que eu queria ali era a preservação da vida humana. [Entra um homem e senta-se]. Esse é que é o Rogério, de quem te falei. Nós fomos convidados a ir pelos moradores e pelos traficantes. Os traficantes queriam conversar com a gente. Eles não pediram outras pessoas. Havia pessoas inclusive se colocando como voluntários, mas eles queriam que fôssemos nós, do AfroReggae.

O encontro durou quanto tempo?

Não sei te precisar. A gente ficou lá das 11 às seis da tarde, não é? [virando-se para Rogério].

E no fim, que conclusão houve?

Mandei eles pensarem, a decisão era deles. Eu não queria ser um garoto de recado. Eu poderia voltar e falar: "Eles vão-se entregar." Aí não se entregavam e ficava mau para mim. Eu apenas sugeri, e a decisão era deles. Tem coisas que eu nem quero saber. Exemplo: eu não sei quando chega a droga, eu não sei quem entrega armas. Porque se você fica sabendo de algumas coisas, você acaba sendo conivente, cúmplice, ou acaba sendo mal interpretado, e numa dúvida você pode ter problemas.

Você contou em entrevistas como foi ameaçado de morte. Em que altura foi isso?

Na carta que manda atacar as UPP sou citado. Essa carta tem 95 por cento de verdade em relação a mim... [Dá uma palmadinha no portátil em cima da mesa] Estou com a carta aqui. Diz assim [cita de cor]: "Tem um cara fortão do AfroReggae que é muito ligado ao Governo, e esse cara está entrando na mente de vários amigos nos presídios e fazendo com que eles desistam do crime." Isso é verdade. A mentira é quando dizem que eu quero destruí-los. Aí pedem autorização para me matar.

Qual é a data?

Acho que meados de Outubro. Eu sabia dessa carta há 40 dias, porque o [jornal] Estado de São Paulo foi o primeiro a saber da carta, me ligou e falou. Só que depois ninguém mais falou disso. Essa carta só voltou a ser mencionada durante os ataques, e só falaram da gente há pouco tempo. As pessoas não sabiam.

Então, quando você e o Rogério negociaram com os traficantes para não haver ataques no primeiro turno das eleições, não existia a carta ainda.

Um dos motivos pelos quais talvez tenham-me colocado na carta é exactamente o primeiro turno. Porque fui lá na hora em que eles queriam fazer uma bagunça. E quem me ligou [agora, para a mediação no Alemão] foi a pessoa inclusive que me ameaça [na carta]. Só que ele nega. Eu sei quem mandou a carta. Ele nega, mas eu sei. Falei para ele que sabia. Eu tenho muitos amigos. Policiais. Ex-traficantes. Pessoas do tráfico que gostam de mim e me contam. Uma rede muito grande de amigos e colaboradores.

Para situar os leitores em relação a quem terá enviado a carta, estamos a falar do Comando Vermelho, certo?

Certo. Mas quem pedia para me matar não era o Comando Vermelho. Eram integrantes, dois a três. É como quando você fala: policiais militares fizeram uma chacina. Não é "a" Polícia Militar, são policiais dentro da Polícia Militar. A mesma coisa aqui: não era "o" Comando Vermelho.

Por exemplo, esta carta aqui, ó, que chegou para a gente sexta-feira [mostra uma folha escrita a esferográfica azul, de um lado e do outro]. Essa carta quem mandou foi o Marcinho VP [líder máximo do Comando Vermelho, que está preso]. Tá aqui, ó. Primeira parte fala para o Rogério, segunda parte fala para mim.

Quer ler?

Posso ler uma parte: "Saudações prezado amigo Júnior, rogo a Deus que esta encontre você, família e todos do AfroReggae salubres. Primeiramente, um abração. Sirvo desta com satisfação para exaltar a sua pessoa pelo trabalho filantrópico que vem exercendo nas áreas menos favorecidas, sobretudo com detentos [presos], pois Deus abençoa aqueles que se ocupam em promover a melhoria das condições material e moral do próximo. Nós sempre fomos flagelados e nos sentimos lisonjeados em ver o seu movimento do AfroReggae ir para a frente, dando oportunidade aos mais excluídos e segregados por nossa sociedade preconceituosa." Tem mais coisas. A carta demonstra o respeito que tem pelo AfroReggae.

Então, você estava a dizer que não foi o Comando Vermelho que o mandou matar, mas gente dentro do Comando Vermelho.

Isso. Não foi uma decisão da facção.

Aí, quando você entra no Alemão, sabe que vai ao encontro da pessoa que o mandou matar.

Uma das.

Como era o seu estado de espírito?

Normal. O AfroReggae existe há 18 anos. Há dez que a gente faz este tipo de coisa. A novidade é que dessa vez tinha uma carta que nos citava numa situação mais complicada. Mas nem foi a situação mais arriscada.

Mas você era um alvo. Sentiu-se assim?

Mais ou menos. Se estivesse com medo, porque iria lá? Fui para ajudar a salvar, não só as vidas dos moradores. Ajudar, porque aqui quem salvou foi a Polícia. Todo o mérito do que aconteceu foi da Polícia. Não tem Júnior, não tem Rogério. O papel principal é do governador, depois da Polícia, e a imprensa colaborou, não queria que tivesse banho de sangue. E a Polícia também mostrou que não queria. Está prendendo todo o mundo, não está matando ninguém. Se a Polícia matasse todo o mundo [do tráfico], parte da população iria aplaudir. Mas está prendendo.

Quando diz que foi a Polícia, você sente que de alguma forma não conseguiu aquilo que queria?

Eu consegui. Eu não queria banho de sangue, como é que não consegui? Mas não fui eu que evitei. Eu sugeri. Quem evitou foi a Polícia.

Mas eles optaram por não se render, certo?

Alguns se renderam, outros não.

A maioria fugiu, não é?

[Júnior volta-se para o polícia, sentado ao fundo] Quantos foram presos, Beto?

Beto - Quase 150.

150 foram presos, muitos se renderam.

Há quem diga que uma das falhas desta operação foi não se terem previsto rotas de fuga.

As pessoas tendem a ver sempre o lado ruim. O lado bom é que não teve genocídio, a resposta foi rápida. Todo o mundo achou que teria muitos problemas e não teve. Claro que teve falhas, inclusive depois da operação. Mas não foi algo planejado, foi uma resposta imediata.

Se você tivesse me entrevistado há um mês e perguntasse: "Você acha que a Polícia vai entrar na Vila Cruzeiro em quanto tempo?", eu diria: "Alguns dias." E foi em poucas horas. Se me perguntasse há 15 dias: "O Alemão vai revidar [responder com tiros]?" Eu diria: "Vai." E não revidou. Ninguém sabia de nada. Eu fico ouvindo um monte de gente falando como se fosse um jogo de futebol, e não é. Todo o mundo achou que a Polícia ia entrar matando, e não entrou. Tem muita gente que acha que entende muito de segurança pública, e não entende nada. E outros preferem manter-se em silêncio, como é o caso do próprio secretário [de Segurança do Rio], José Mariano Beltrame, que é uma pessoa muito estratégica, muito inteligente. Ele fez um jogo de xadrez e não quebrou nenhuma peça do tabuleiro.

Acha que o governador Sérgio Cabral e o secretário Beltrame aprenderam com experiências que não correram bem, como a de 2007 no Alemão, e que esta operação foi o sinal de uma nova estratégia, de uma nova visão?

Acho que sim. Em 2007 houve 19 mortos. Acho que eles estão aprendendo. Mas todos esses problemas são legados de décadas. Eu tenho 42 anos. É a primeira vez que o meu governador consegue falar com o meu Presidente da República. O governador do Rio hoje tem uma relação com o Presidente. Antes, a governadora anterior era inimiga do prefeito e inimiga do Presidente. O outro governador era inimigo do prefeito. Aqui sempre teve briga. Então nos últimos anos governador, prefeito e Presidente trabalham em prol do Rio. E você vê quanta coisa boa aconteceu no Rio nos últimos anos. Entrou na rota mundial do entretenimento, do turismo, dos jogos. Ano que vem vai acontecer os Jogos Militares. Vai ter Olimpíadas, Copa do Mundo. As coisas começam a mudar. O próprio Complexo do Alemão já tinha a presença do Estado antes dessa operação, 700 milhões de reais de investimento do PAC [Programa de Aceleração do Crescimento], você tem o teleférico, que custa 300 milhões, os condomínios populares...
Mas o poder não era do Estado.

O poder não era do Estado. [Por isso, agora] não houve uma retomada. Você não pode retomar uma coisa que nunca foi sua. Houve uma tomada. Se os traficantes retomarem é que será uma retomada.

Quando estive no Alemão, as pessoas diziam: "Ah, agora estamos a ver o Estado." No sentido de uma presença do Estado para ficar.

O que acha que vai acontecer daqui para a frente? No Alemão, na Rocinha?

Com relação ao Alemão, não é o que acho, é o que espero. Espero que eles [forças armadas] possam se manter ali dentro e as pessoas se sintam seguras.

Acha bem que o Exército controle a segurança lá, como ficou combinado?

Não sei. Não posso dizer que acho. Espero.

O que acharia certo fazer na Rocinha? Quer explicar a diferença de territórios entre a Rocinha e Alemão?

O Alemão fica no subúrbio, e a Rocinha na Zona Sul, com um entorno de classe média-alta e alta. Então, acho que o tipo de postura será muito diferente. O grupo armado da Rocinha...

Amigos dos Amigos.

... também será menos truculento que o do Alemão e da Penha. Mas são traficantes como quaisquer outros. Não quer dizer que sejam mais ou menos bonzinhos.

Tem de criar uma estratégia que preserve a vida humana, que possa conquistar o território, e uma maneira de esses traficantes terem uma ocupação. Muitas famílias vivem do narcotráfico.

A Rocinha pode ser mais complicada que o Alemão?

Eu achava que no Alemão teria muitas vítimas, e não. Estamos vivendo uma situação muito nova, esse tipo de acção, em parceria com as forças armadas e com uma cobertura da imprensa, nunca aconteceu. A imprensa acaba sendo observadora privilegiada e mostrando alguns abusos. Então, se no Alemão e na Penha não teve isso [banho de sangue], não sei se na Rocinha vai ter. O traficante do Rio de Janeiro não tem perfil de narcoterrorista. E já perceberam. Acho que o Governo já conseguiu passar uma mensagem clara que lembra Nova Iorque na década de 90: tolerância zero. Se negrinho partir para dentro, sabe que vai ser esmagado. Foi o que aconteceu. Complexo do Alemão e da Penha são dois lugares que se diziam impenetráveis. Foi tudo muito rápido, e menos complicado do que se esperava.

É o princípio do fim do tráfico no Rio de Janeiro?

Não. Está longe do fim. O tráfico não acaba. A estratégia do Rio de Janeiro além de conquistar o território é desarmar.

Porque é que o Brasil não discute a legalização das drogas?

Eu sou contra, totalmente. Seria a favor, se o gestor fosse quem está hoje operando de maneira ilegal. Como sei que não será, que vão vir as grandes indústrias, sou contra. Vai vir todo um capital estrangeiro para ganhar bilhões de dólares, e esse cara que tanto matou e morreu não vai beneficiar.

E legalização de droga, também, onde aconteceu? Sinceramente não sei. Estamos a falar de cocaína, crack e maconha [haxixe]. Se legalizar maconha, a cocaína e o crack continuam ilegais. E quem estava dando ataque aqui no Rio não era o cara que fumava maconha.
Fonte aqui.

quinta-feira, dezembro 09, 2010

O BRASIL QUE LULA DEIXOU, NA PERCEPÇÃO DOS BRASILEIROS: GOVERNO, POLÍTICA, INSTITUIÇÕES E ECONOMIA!

Pesquisa Latinabarometro realizada em 18 países latino-americanos, 20.204 entrevistas entre 4 de setembro e 6 de outubro de 2010. Recorte para a pesquisa realizada no Brasil.

1.
O resultado da pesquisa do Latinobarometro de 2010 mostra que Lula vai bem na percepção dos brasileiros, mas o Brasil vai muito diferente. 86% aprovam o governo\ 67% são favoráveis a Lula. Mas..., siga os resultados da pesquisa, em plena campanha eleitoral, com o eleitor com todas as informações disponíveis pelas próprias campanhas e diariamente na TV, rádios e jornais.


2.
Governo. Apenas para 36% a situação econômica é boa ou muito boa \ 47% estão satisfeitos com a economia / 39% tem preocupação em ficar desempregados \ Para 66% as decisões do governo privilegiam uns poucos \ Para 70% algumas pessoas e grupos têm tanta influência que os interesses da maioria são ignorados \ Só para 45% se governa para o bem de todo o Povo \


3.
Política e Instituições (01). Só para 43% sem Congresso Nacional não pode haver democracia (59% acham assim em toda a América Latina). Brasil ficou em último lugar \ Só para 44% sem partidos políticos não pode haver democracia (58% para toda América Latina) \ 49% estão satisfeitos com a democracia \ 54% apoiam a democracia \ 44% tem confiança no Congresso \ 24% tem confiança nos Partidos \ 66% não querem governo militar


4.
Política e Instituições (02). 44% querem que o Presidente controle os meios de comunicação \ 55% acham que quando a situação está difícil se deve passar por cima das leis \ Só 34% tem interesse pela política \ Só 33% acham que governo deve financiar os Partidos \ Quem tem mais poder é o governo para 52% \


5.
Ideologia. 14% não tem ideologia 21% não sabem responder. 11% se dizem de Esquerda. 20% se dizem de direita. 35% se dizem de centro.


6.
Segurança. 25% dizem que eles ou um parente próximo, foram agredidos ou assaltados nos últimos 12 meses \ Só para 21% a segurança no Brasil é muito boa ou boa.


7.
Economia. Para 63% Economia de Mercado é o único sistema para o país ser desenvolvido \ Para 75% Empresa privada é indispensável para desenvolvimento \ Para 51% as privatizações foram benéficas para o Brasil.\ 52% dizem que estão satisfeitos com os serviços públicos privatizados 52% (maior índice da América Latina).


8.
Para conhecer a pesquisa completa cada um dos 18 países e para o total da América Latina, clique www.latinobarometro.org 127 páginas. Veja à direita do portal.

sexta-feira, dezembro 03, 2010

40 ANOS DA "POLÍTICA DE QUOTEO"!

1. O processo eleitoral que levou à vitória do presidente Salvador Allende (foto), em 1970, começou com a apresentação aberta dos candidatos a presidente que compunham o campo da esquerda. Doze partidos colocaram seus nomes. O mais competitivo ficaria. Pablo Neruda, candidato do Partido Comunista, reclamou das pesquisas que o colocavam numa posição de destaque: não queria ser candidato. Finalmente, Salvador Allende foi consagrado como candidato de uma grande coalizão de partidos chamada Unidade Popular (UP).

2.
A vitória da UP se deu por pequena margem, o que reforçou a importância dos partidos menores. Durante uma transição traumática em que foi assassinado o comandante em chefe do Exército, René Schneider, Allende define uma política para a montagem de seu governo, que ficou conhecida como “quoteo”. Primeiro definiu as cabeças dos ministérios com os mais expressivos quadros dos principais partidos de apoio.


3.
Para evitar que cada um desses ministérios fosse controlado de cima abaixo, por um só partido, definiu que pela ordem de votação dos partidos e proporcionalmente a ela, os cargos de direção dos ministérios, das empresas estatais..., seriam ocupados por indicação partidária, em rodízio. Os impasses que viveu o governo Allende tiveram duas dimensões. Primeiro, a óbvia dimensão política das forças internas e externas de oposição que procuravam desestabilizá-lo. A segunda dimensão foi a administrativa. A “política de quoteo” gerou uma desintegração progressiva, na medida em que as equipes eram heterogêneas e sem elementos de unidade e confiança, o que impedia a delegação, a descentralização...


4.
A dinâmica da montagem do governo eleito do Brasil, a partir de uma política de quotas partidárias por indicação no nível ministerial, inevitavelmente levará a um sistema de “quoteo” como o da UP nos demais escalões. Uma vez que os ministérios começam a ser ocupados sem o cuidado básico pela escolha dos quadros mais qualificados dos partidos da coligação para cada função, o desdobramento inevitável será o “quoteo”.


5.
Não pelo sistema de rodízio proporcional da UP, mas, pior, de forma a colocar cunhas de confiança do Planalto nos ministérios e de mesclar as equipes, de forma a atender a voracidade de todos, e de equilibrar o jogo com os espaços de direção nos ministérios e empresas estatais. Pior que no Chile dos anos 70, na medida em que os ministérios são ocupados pela ótica político-espacial e que as demais funções de primeiro e segundo escalões o serão, inevitavelmente, por “quoteo”, sem regra.

quinta-feira, dezembro 02, 2010

TEORIA DOS JOGOS APLICADA À POLÍTICA!

(HSM Management 57 julho-agosto 2006) 1. Em 1994, o trabalho pioneiro de Reinhard Selten (foto) sobre Teoria dos Jogos, recebeu o prêmio Nobel de Economia, que dividiu com John Harsanyl e John Nash (lembrar filme "Uma Mente Brilhante"). O professor Selten ampliou o conceito original de Nash sobre ponto de equilíbrio em jogos não cooperativos.

2. Selten aplicou sua pesquisa a diversos problemas na política, com altos interesses em jogo.

3. Quando os lances para aquisição de determinado item (poder também) baseiam-se nas estimativas de valor desse item, o vencedor será o que mais superestimar tal valor. O aumento do número de concorrentes amplia a gama de estimativas, o que, por sua vez, aumenta a probabilidade de que o maior lance supere o valor Real.

4. Intuitivamente, as pessoas (políticos também) fazem lances mais agressivos quando o número de concorrentes é maior. No entanto, a maior agressividade dos lances aumenta a probabilidade do vencedor ser vítima da Maldição. Em sala de aula, Selten repetiu diversas vezes o jogo com moedas. Descobriu que depois de ganhar e pagar um preço excessivamente alto, algumas vezes os alunos assumiam uma atitude mais prudente e deram lances menores na jogada seguinte.

5. Mas - em seguida - os competidores desapontados reagiam, ajustando seus lances para cima e fazendo ofertas mais agressivas, o que tornava o sistema novamente propenso a produzir a Maldição do Vencedor.

Comento: Exceder-se em promessas em campanha e em governo, estimular e multiplicar a expectativa dos eleitores em campanha e em governo, produz uma vitória - ou popularidade -, pontual, mas em seguida vem o "prêmio": a Maldição do Vencedor.

GRANDE MAIORIA PARLAMENTAR NEM SEMPRE É BOM PARA PRESIDENTE!

Dick Morris (foto), coordenador da campanha de Clinton em 2006, analisando o momento em que ocorreu a reviravolta política após a derrota para os Republicanos nas eleições parlamentares de 1994, falou da armadilha da maioria parlamentar. Morris fala do erro político de Clinton em 1993, ao ter construído uma sólida maioria parlamentar e ter ficado numa camisa de força entre seus partidários. Morris diz que ter tal maioria no Congresso não resolve a questão política governamental e que Clinton só começou a crescer quando se livrou de sua maioria parlamentar, e passou a falar para todos e situar-se de forma equidistante do Congresso. Morris sugeriu e Clinton convidou pró-republicanos para colaborarem, como o general Colin Powell, que passou a coordenar um grupo de ex-presidentes e megaempresários para tratar dos problemas sociais.

quarta-feira, dezembro 01, 2010

DAVID SAMUELS PREVIU, EM 2003, E ACERTOU O ÚNICO CAMINHO PARA O PT CRESCER?

1. O exercício de maior risco na ciência politica é a previsão para um período de tempo de médio prazo. O professor David Samuels, da Universidade de Minnesota, em base a dados que vão até 2002, procurou explicar as razões que poderiam levar o PT a crescer ou não. Ou seja, o que levaria um eleitor a votar no PT. O trabalho foi publicado no Brasil pela revista OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. X, nº 2, Outubro, 2004, p. 221-241.

2.
A partir das regressões sobre diversos temas que poderiam estar relacionados com o voto no PT, Samuels chega a conclusões, na época, surpreendentes. Hoje se pode afirmar que a precisão de suas conclusões é impressionante. Segue uma lista de situações que não levam ao petismo. "A classe socioeconômica não está diretamente relacionada ao petismo. Categorias sociais como – raça, gênero, religião e idade – não apresentam relação com o petismo. Não é verdade que os católicos sejam mais petistas e que os evangélicos menos. A variável raça também não mostra relação significativa."


3.
"O atrativo do PT de reduzir a desigualdade socioeconômica não se reflete nos resultados de regressão. O desejo de maior influência do governo na economia e maior regulamentação desta, bem como o apoio ao nacionalismo econômico não estão associados ao petismo. Brasileiros que se opõem às práticas clientelistas e ao rouba-mas-faz não apresentam maior probabilidade de serem petistas. Os brasileiros que apoiam a liberdade de expressão política e que têm ideias menos hierárquicas da sociedade também não mostram maior probabilidade de serem petistas."


4.
"A variável mais importante que surge em termos do impacto sobre ser petista é a opinião sobre Lula. O resultado aqui mostrado indica que a predição aumenta quase 65% para um brasileiro que dá nota 10 a Lula numa escala de 0 a 10, em comparação com quem dá nota 5 na mesma escala. "


5. "A importância para o petismo da popularidade de Lula tem implicações substanciais para o futuro do PT. Ele continua a ser o único líder petista que pode atrair um número de adeptos bem maior do que o partido. Quando ele deixar o palco, podemos prever não somente uma difícil sucessão na liderança, como também algum grau de problemas para o partido em termos de sua capacidade de reter seguidores e assim continuar crescendo eleitoralmente. O partido ainda não está inteiramente livre de sua conexão a um único líder político. Os resultados deste estudo têm implicações adicionais para o futuro do petismo."

6.
"A ideologia de esquerda, que o próprio partido abandonou em larga medida, tem uma influência muito limitada na identificação dos brasileiros com o PT. O petismo também não mostra uma relação clara com políticas públicas determinadas, nem com classes sociais. Se o petismo fosse principalmente uma função dessas três variáveis (ideologia, políticas e classe), o crescimento do PT poderia ficar severamente limitado, pois muitos brasileiros possuem posturas ideológicas fracas, têm pouco conhecimento sobre políticas específicas e não têm uma consciência de classe clara."


7.
David Samuels merece um máximo reconhecimento. Foi provavelmente o único cientista político que teve a coragem de acreditar em seus estudos econométricos, e dar publicidade, contrariando o que a academia, a imprensa e os políticos imaginavam e repetiam à exaustão.


8.
Se quiser ler o estudo todo.

sexta-feira, novembro 26, 2010

Veja a diferença entre os tipos de tributação de uma empresa

A ECONOMIA DO TRÁFICO NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO!

Trechos do estudo de Sergio Guimarães Ferreira e Luciana Velloso, da subsecretaria estadual de fazenda - abril de 2009.

1. Estimativa de consumo anual. Maconha 90 toneladas. Cocaína 8,8 toneladas. Crack 4,3 toneladas.

2. Faturamento anual do Tráfico (ajustando a subestimativa das pesquisas diretas): Maconha 108,1 milhões de reais \ Cocaína 423,2 milhões de reais. Crack 102,1 milhões de reais. Total: 633,4 milhões de reais.

3. Custo Anual Estimado: Pessoal 158,7 milhões de reais. Custo de compra das drogas 193,9 milhões de reais. Armas 24,8 milhões de reais. Perdas por apreensões 19,4 milhões de reais. Total 396,8 milhões de reais. Lucro operacional: 236,6 milhões de reais.

4. Quantidade de delinquentes envolvidos no tráfico: 16.387 pessoas (estimativa da Polícia Civil).

5. Conheça o trabalho completo.

Obs.: Apenas como referência, pois as situações variam muito. Supondo 1000 bocas de fumo em toda a cidade, o lucro seria de 236 mil por boca de fumo/ano ou quase 20 mil reais por mês. Se uma comunidade tiver várias bocas de fumo e o tráfico ali fosse centralizado, como Alemão, Rocinha, Jacarezinho..., a facção controladora ali teria um lucro de 20 mil reais x Y bocas de fumo por mês, em média.

quarta-feira, novembro 24, 2010

EVOLUÇÃO DOS VOTOS NAS ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS NOS EUA, 1920-2008!


Trabalho do politólogo David Sparks (imagem ao lado). Em vídeo mostra a evolução no tempo: Democratas em Azul, e Republicanos em Vermelho. Mostra mudanças às vezes rápidas, às vezes graduais na votação. A interpretação animada acentua certos fenômenos como o tamanho e a duração do apoio a Roosevelt, a mudança de um Sul Democrata para Republicano, a mudança de uma divisão Oeste-Leste para a atual divisão Litoral x Interior, e depois a estabilidade. Mais amplamente, este vídeo é um lembrete de que o que constitui "política de sempre" está sempre em fluxo, mudando às vezes de forma abrupta. A paisagem da política americana está em constante evolução, como membros da batalha de dois grandes partidos para a supremacia eleitoral.

"O Rio de Janeiro continua lindo!"

Meu presente para meus leitores!


É emocionante ver o velho Dave Brubeck, um ícone do jazz, talvez o mais marcante de todos, velhinho, assistindo a nata do jazz atual com seus filhos, tocando seus maiores sucessos e sendo aplaudido por uma platéia de cachê bilionário, incluindo Obama e a primeira-dama. Um showzaço emocionante!!!

WILLIAM WALKER E HUGO CHÁVEZ, 155 ANOS DEPOIS!

1. O jornal Haaretz, de Israel, especula que a recente disputa entre Costa Rica e Nicarágua pela Ilha Calero, no rio San Juan, é um sinal de um ambicioso plano da Venezuela, Irã e Nicarágua de construir um canal interoceânico em solo nicaraguense que rivalize com o Canal do Panamá. O jornal panamenho La Estrella (18) repercutiu a matéria junto ao presidente Ricardo Martinelli, do Panamá, que se mostrou despreocupado. Mas - se por acaso - reiterou seu apoio à Costa Rica nesse conflito com a Nicarágua. E sublinhou: "Não podemos permitir, como latino-americanos, que nenhum país invada o outro de maneira alegre mandando suas tropas para território alheio. A ONU e a OEA são os fóruns adequados para se negociar essas diferenças. "

2. Vamos à origem de tudo. Em 1853, William Walker, (foto) médico, advogado, jornalista, escravocrata, formou uma milícia e entrou pelos estados mexicanos da Baixa Califórnia e Sonora, declarando-se presidente da República, rompendo os termos do acordo de paz entre EUA-México pós-guerra de 1848. Sem apoio e processado por ter rompido o tratado de paz, retornou em 1854.

3. A guerra civil na Nicarágua entre o partido democrático - com base no norte em León -, e o partido legitimista - com base no sul em Granada - estimulou o partido democrático a chamar a milícia de William Walker para apoiá-lo. Com inicialmente 58 homens, Walker chegou à Nicarágua. No campo de batalha no sul e um impasse militar, terminou levando Walker a ser aceito como general comandante do exército. Não demorou muito para que num golpe de mão, assumisse a presidência como ditador. Reestabeleceu o escravagismo e o inglês como língua oficial. A imprensa americana aplaudiu e legitimou-o e o governo do presidente dos EUA, Franklin Pierce (foto), ficou neutro a respeito.

4. O magnata Cornélio Vanderbilt (foto), vendo a oportunidade aberta, criou a Companhia do Canal e de Trânsito, e com engenheiro francês desenhou o Canal da Nicarágua, 50 anos antes da construção do Canal do Panamá. Vejamos o trajeto. O rio San Juan tem dois momentos. O rio San Juan del Norte, que vem do Caribe-atlântico, e o San Juan del Sur, que deságua no Pacífico. Entre os dois, o enorme Lago da Nicarágua com 8.624 km2. O projeto do canal era perfeitamente viável. Mas Walker decidiu achacar Vanderbilt e pediu a fortuna de 412 mil pesos para autorizar. Com a negativa, decretou em 18/02/1856 o confisco dos navios e propriedades da empresa de Vanderbilt na Nicarágua.

5.
A Costa Rica declarou guerra a Walker e, em seguida, com Honduras e El Salvador constituíram um exército coordenado. Derrotaram Walker, que fugiu para os Estados Unidos. Recebido como herói, se entusiasmou, armou uma milícia maior que a inicial e retornou. Mais uma vez derrotado, tentou uma terceira vez. Com a ajuda dos ingleses, o exército hondurenho o prendeu e fuzilou. Seu corpo está enterrado em Honduras.


6.
O projeto de Vanderbilt foi abandonado pela instabilidade permanente na região.


7. O projeto Chávez, Ortega, Ahmadinejad, reproduz o projeto Vanderbilt. É tecnicamente possível e avaliado em pelo menos 10 bilhões de dólares. Por isso, o aval do Irã. Mas para que seja viável teria que usar parte do território de fronteira com a Costa Rica e, no caso, uma parte do próprio território da Costa Rica. Daí a ocupação - manu militari - que Ortega realizou, iniciando a dragagem de um trecho sob a direção do ex-comandante guerrilheiro Eden Pastora (foto) (até aqui adversário de Ortega).

O populismo na Argentina

1. Em sua coluna ("La Nación"), na semana passada, o politólogo Natalio Botana (foto) analisa os desafios que virão com a morte de Kirchner. Para unificar o peronismo, só com um líder forte. Afinal são quatro peronismos, como sugere. A semelhança com o PT tem raízes e história. A base do peronismo é uma liderança popular, onicompreensiva. Seus ciclos sempre dependeram dessas presenças, com Evita e Perón, Menem e depois Kirchner. Na ausência de líder forte, o peronismo perdeu o poder.

2. Na Argentina, diz, esse tipo de liderança nunca se desenvolveu fora do peronismo. Aliás, como aqui, entendendo o trabalhismo de ontem e de hoje como linhas contínuas. Diz Botana que, "para isso, as fronteiras do peronismo devem ser laxas, segundo as circunstâncias". Com cada novo líder, a trama se atualiza e vêm novos registros de concentração do poder. Perón, Menem e Kirchner representaram interesses distintos, mas sempre com a mesma apetência hegemônica.

3. "Quando o êxito está ao alcance da mão, o peronismo é vertical. O paradoxo é que essa concentração se dá com uma base plural: é uno na chefia e plural quanto à sua conformação sociológica". São quatro suas tendências internas: a política, a sindical, a revolucionária surgida nos anos 70 e os movimentos sociais mobilizadores ativados nas crises. Kirchner disciplinou sua base parlamentar e os governadores através do caixa, diz Botana. Sublinha que ele foi negociador com o sindicalismo, que tem, aliás, base financeira própria, como aqui.

4. Com os movimentos sociais, negocia, coopta, mobiliza e desmobiliza, neste caso via políticas sociais. Finalmente, o "setentismo" (ex-revolucionários), "com o qual agregou uma política de reparação histórica. Esses se sentiam como vanguarda que abria uma nova história alimentada com memórias excludentes".

5. E conclui Botana: "Dessa forma, sem uma liderança carismática, essas quatro linhas (política, sindical, setentista e movimentos sociais) terão que se cruzar, porque são difíceis de conciliarem-se e exigem a liderança forte como signo de identidade. Mas o pós-líder forte arrasta a complicação dos desengajamentos que ele mesmo produz".

6. Não será diferente aqui. Líder fora do poder não é forte. Só se fosse de oposição.

terça-feira, novembro 23, 2010

SAIBA TUDO QUE LULA FEZ DE 2002 A 2010

Você ouve falar em DÍVIDA EXTERNA e DÍVIDA INTERNA em jornais e TV
e não entende direito vamos explicar a seguir:

DIVIDA EXTERNA = é como uma dívida que você deve para bancos e outras pessoas...
DIVIDA INTERNA = é como uma dívida que você deve para sua mãe, pai ou parente...

Quando LULA assumiu o Brasil, em 2002, devíamos:

ü dívida externa 212 Bilhões

ü dívida interna 640 Bilhões

ü Total de dívidas: 851 Bilhões

Em 2007 Lula disse que tinha pago a dívida externa.
E é verdade, só que ele não explicou que, para pagar a externa, ele aumentou a interna:

Em 2007 no governo Lula:

ü Dívida Externa = 0 Bilhões

ü Dívida Interna = 1.400 Trilhão

ü Total de dívidas 1.400 Trilhão,
ou seja, a dívida externa foi paga, mas a dívida interna quase dobrou.

Agora, em 2010, você pode perceber que não se vê mais na TV e em jornais algo dito que seja convincente sobre a Dívida Externa quitada.
Sabe por que? É que ela voltou.

Em 2010:

ü Dívida Externa= 240 Bilhões

ü Dívida Interna =1.650 Trilhão

ü Total de dívidas 1.890 Trilhão,
ou seja, a dívida do Brasil aumentou em 1 Trilhão no governo LULA.

Daí é que vem o dinheiro que o Lula está gastando no PAC, bolsa família, bolsa educação, bolsa faculdade, bolsa cultura, bolsa para presos, dentre outras bolsas...
Não é com dinheiro de crescimento; é com dinheiro de ENDIVIDAMENTO.
Compreenderam? Ou ainda acham que Lula é mágico? Ou Que FHC deixou um caminhão de dólares para Lula gastar?
Para maiores detalhes sobre dívida interna e externa do Brasil, acesse o artigo de Waldir Serafim (foto acima).

PARTIDOS, FEDERAÇÃO, PODER POLÍTICO, PODER ECONÔMICO!

1. São Paulo, por seu enorme poder econômico, é sempre o foco da disputa de poder. Desde a Primeira República foi assim, com 3 presidentes paulistas (Prudente de Moraes, Campos Sales, Rodrigues Alves), que na sucessão, com outro paulista, produziu-se um impasse e veio a política do Café com Leite, S. Paulo e Minas. A insistência do presidente Washington Luís, com mais um governador de S. Paulo, precipitou a revolução de 30. Agora mesmo, a dicotomia eleitoral Nordeste-Sul decidiu a eleição e com uma presidente fora de S. Paulo. Na Federação tem sido assim.

2.
Mas nos Partidos Políticos também. Nada tão natural. Controlar o seu Partido desde S. Paulo é sempre um objetivo. A proximidade com o poder econômico atrai. Mas às vezes a disputa federativa se transfere à partidária. Nada tão esperado. O primeiro caso já no início da democratização foi com o PDS. Maluf, desde S. Paulo, tenta controlar o partido e ser o candidato a presidente. Veio uma dissidência - a Frente Liberal - decisiva na eleição de Tancredo pelo Congresso e fundamental, por isso, na aceleração do processo de democratização e convocação da Constituinte. Em seguida a Frente liberal se transforma em Partido, o PFL.


3.
Na eleição de 1986, o PMDB ganha em quase todos os Estados. Seus presidentes nacionais - Ulysses e depois Quércia - eram naturalmente de SP. A primeira disputa interna foi pela candidatura ao governo de SP. Vence Quércia com Fleury. Em seguida se inicia o processo de ruptura com a criação do PSDB, basicamente um partido paulista. Tasso, prestigiado governador do Ceará, permanece no PMDB e só entra depois. O fortalecimento posterior do PSDB afetou o PMDB, que por talento e habilidade políticos, voltou ao centro do poder, apoiado pela fragilidade parlamentar de Lula.


4.
No PT esse processo de disputa de poder para retirar a hegemonia de SP vem se dando a cada convenção partidária. Mas os presidentes do partido foram e continuam sempre sendo de S. Paulo. Com o acesso ao poder e a liderança de Lula, essa disputa perdeu vitalidade. Mas voltará, quando fora do poder.


5.
Os movimentos que se veem agora no Democratas são, portanto, perfeitamente previsíveis e politicamente naturais. A luta pelo poder com o controle de S. Paulo já ocorreu e retorna agora. A presidência do PMDB hoje é de S. Paulo. A presidência do PR é de S. Paulo, e a presidência do PP, saiu de S. Paulo em função do enorme desgaste de seu presidente, Paulo Maluf. Bem, e claro, a presidência do PT é de S. Paulo. A presidência do PSDB - formalmente fora de SP - é de fato exercida, desde S. Paulo.


6.
Em geral, esta centralização do comando politico, local e nacional em S. Paulo, termina gerando um stress federativo. Melhor seria que a necessária desconcentração fosse administrada em cada partido, e em nível nacional. Aliás, nesse caso, como ocorreu por voluntarismo de Lula em sua escolha para 2010.


7.
Mas não é simples, pois na política vale a primeira lei de Newton: "Matéria atrai matéria na razão direta da massa e na razão inversa do quadro da distância". Matéria em política é poder: poder econômico, tantas vezes associado ao poder político. A matéria com maior poder de atração é SP. Estar dentro de SP (inverso do quadro da distância) potencializa esse poder.

Campanha de utilidade pública diferente!

EVITA, KIRCHNER: TRAGÉDIAS QUE DESMONTAM A POLÍTICA ARGENTINA!

1. Em 26 de julho de 1952, morria Evita Perón, de câncer uterino, depois de meses de sofrimento. Perón já vivia pessoalmente um processo de desgaste. Tentou levar Evita a ser sua vice-presidente, mas os militares barraram a pretensão. Era Evita quem tinha a popularidade máxima junto aos trabalhadores e aos pobres. Era amada e venerada como uma Santa. A estabilidade política do governo Perón dependia dela, pois os militares não se arriscariam a um golpe de estado, temendo o inevitável banho de sangue. A partir da morte de Evita, a base de Perón desestabilizou e vieram as duas tentativas de golpe, ambas em 1955. Na segunda, em 16 de setembro de 1955, Perón justificou querer evitar derramamento de sangue e entregou o poder. Na verdade, não tinha - naquele momento - mais base popular para enfrentar.

2. Morre em, 27 de outubro de 2010, Nestor Kirchner, (foto) com problemas cardíacos sequenciais, que o levaram a realizar cirurgia meses antes. Apesar do crescimento da oposição e de sua derrota nas eleições parlamentares parciais de junho de 2009, quando perdeu a maioria no Congresso, Kirchner mantinha-se como referência popular. Sua taxa de popularidade geral havia decrescido. Mas as pesquisas para as eleições presidencias de 23 de outubro de 2011 lhe davam uma vantagem confortável, embora apontando para um segundo turno. A oposição dividida não consegue chegar à convergência. Menos agora.

3. A morte de Kirchner tira da presidente Cristina Kirchner (foto) sua base popular e a liderança carismática e populista de seu marido. Seu debilitamento será inevitável. A fórmula - Cristina na Presidência, Kirchner no Poder - se desintegra. São 8 os nomes que se pré-apresentam dentro do "peronismo federal" como candidatos a presidente. Cristina Kirchner pode ser candidata à reeleição. E certamente será. Mas sem o lastro popular, a liderança populista de Kirchner, não terá vitalidade política, em muito pouco tempo.

4.
As pressões sobre o Congresso, que Kirchner fazia pessoalmente, não terão quem o substitua e a oposição parlamentar crescerá, e mais ainda com parlamentares que se considerarão independentes e buscarão referências para outubro de 2011.


5.
O paradoxo da situação comparada é que, com Perón, era sua esposa Evita que lhe dava lastro popular. Com Cristina era seu marido Nestor Kirchner que lhe dava esse lastro. A morte de Evita desestabilizou politicamente a Argentina. A morte de Kirchner desestabilizará politicamente a Argentina. Claro, em contextos diferentes, em relação ao caráter dos desdobramentos.

segunda-feira, novembro 22, 2010

Agora a justiça deslancha...

PORTARIA Nº 7.948/2010
O Desembargador ANTONIO CARLOS VIANA SANTOS, Presidente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais,
RESOLVE
:

NOMEAR os Desembargadores
GUILHERME GONÇALVES STRENGER e ROBERTO NUSSINKIS MAC CRACKEN, como Coordenadores do lanche dos Desembargadores da Corte.
REGISTRE-SE. PUBLIQUE-SE. CUMPRA-SE
São Paulo, 05 de novembro de 2010.

(a)
ANTONIO CARLOS VIANA SANTOS, Presidente do Tribunal de Justiça.

Confira a íntegra da Por
C
aria aqui.

OS CONFLITOS NO "SAARA OCIDENTAL"!

1. A Argélia apoia a independência do Saara Ocidental, com o nome de República Democrática do Saara, enquanto o Marrocos o considera seu território. O Saara Ocidental é um território de 266.000 km2, com cerca de 500.000 habitantes, que tem, dentre seus recursos naturais, os mais ricos depósitos de fosfato no mundo.

2.
Antiga colônia espanhola (Rio de Oro, entre 1905 e 1924) e província espanhola (até 1975), nunca teve seu processo de descolonização terminado. Em 1975, a Espanha cedera aqueles territórios ao Marrocos e à Mauritânia. Em 1979, a Mauritânia deles se retirara, enquanto boa parte foi ocupada pelo Marrocos. De acordo com resolução da ONU, a situação do Saara Ocidental está pendente da celebração de um referendo para a autodeterminação ou a junção daquele território ao Marrocos, que o ocupa parcialmente desde 1976. O Governo marroquino apenas admite a transformação do Saara Ocidental num território com ampla autonomia, mas debaixo de sua soberania.


3.
É importante notar que, dentre os países da América Latina e do Caribe, apenas o Brasil e Bahamas não tomaram posição sobre o assunto.

quinta-feira, novembro 11, 2010

Fundo de participação dos estados nos primeiros seis meses do ano

Clique na imagem para ver ampliada.

CHOCANTE... PORÉM REALISTA!


Uma das maiores empresas de marketing do mundo, resolveu passar uma mensagem para todos, através de um vídeo criado pela TAC (Transport Accident Commission) e que teve um efeito drástico na inglaterra.
Em vinte anos o numero de mortes caiu de 776 para 303!

Depois desta mensagem, 40% da população da Inglaterra, deixou de usar drogas e se alcoolizar pelo menos nas datas comemorativas, não temos este tipo de iniciativa aqui no Brasil. Espero que todos assistam, mesmo que não se alcoolizem ou usem algum tipo de drogas, e que reflitam e passem para os seus contatos.

Momento mágico da culinária!


Literalmente. A técnica dele é incrível.

quarta-feira, novembro 10, 2010

JÁ TEM, O PARTIDO REPUBLICANO CANDIDATO A PRESIDENTE EM 2012?

1. Marco Rubio (foto) inicia sua ascensão para Washington ao derrotar seus dois rivais para o assento da Flórida no Senado. Marco Rubio iniciou em 02 de novembro sua ascensão meteórica para Washington, ao derrotar seus dois rivais para o assento da Flórida no Senado. Dois anos atrás era um desconhecido presidente da Câmara de Representantes da Flórida, um político jovem e idealista que nadava contra a corrente em um Estado onde os republicanos vencedores se caracterizavam por serem conservadores na área econômica e moderados na área social. Rubio não era assim.

2. Apaixonadamente antiabortista, defensor do conceito tradicional de família, defensor da redução dos gastos públicos e do rearmamento da nação, reunia todos os requisitos para se tornar um líder do movimento ultraconservador do Tea Party. Aos 39 anos, Rubio será o segundo senador mais jovem do Capitólio, e um dos dois hispânicos a ocupar um assento, junto ao democrata por Nova Jersey Robert Menendez, também de origem cubano-americana. Seus pais nasceram em Cuba e imigraram para os EUA, onde Rubio nasceu em 1971. Ele cresceu em Las Vegas. Estudou Ciências Política e fez doutorado em Direito. Em 2000 entrou na política através da Câmara de Representantes da Flórida. Na eleição presidencial de 2008, apoiou o reverendo Mike Huckabee, que perdeu as primárias contra John McCain.

"O DEBATE DE IDEIAS ESTÁ DESAPARECENDO DA POLÍTICA"!

Um trecho da longa entrevista autobiográfica de Felipe Gonzalez (foto) a El País (07).

1. O que se está fazendo é seguidismo da opinião pública; se está banalizando o debate político a tal ponto que não se pode desenvolver projetos políticos que em certo momento podem ir na contramão da opinião pública. Como dizia Azaña, não há nada mais variável do que a chamada opinião pública.

2. Há cerca de quatro ou cinco anos, encontrei-me por acaso no aeroporto de Washington com Henry Kissinger (foto), e ele me disse: "Olha, Felipe, a política está nas mãos de pessoas que fazem discursos pseudo-religiosos e simplistas e que são na verdade ofertas de venda de eletrodomésticos". Concordei. E ele acrescentou: "Desapareceu de tal maneira o debate de ideias, a contraposição de ideias; estamos em uma simplificação tão grande da política, que deixou de me interessar. Aborrece-me profundamente este mundo da política em que estamos vivendo."

* * *

O QUE É LIDERANÇA POLÍTICA?

Outro trecho da longa entrevista autobiográfica de Felipe Gonzalez a El País (07).

1. Existem algumas características fundamentais de liderança política: a) não pode ser líder quem não tem capacidade e/ou sensibilidade, para sentir o estado de espírito do outro. Se você não consegue perceber o estado de espírito do outro, o outro não se sente próximo, sente que você não o compreende e não te aceita como líder; b) não há liderança a menos que você mude o estado de espírito dos outros, de negativo para positivo ou de positivo para ainda mais positivo, o que acarreta acreditar realmente no projeto oferecido, acreditar sem troca o que lhe dá mais força. E a capacidade de transmitir este projeto como um projeto que envolva os outros, que comprometa os demais mudando o estado de espírito que já existia.

2. Mas tem que ser um projeto que permita que as pessoas pensem que, apesar dos esforços exigidos, esse esforço fará sentido, convencendo-o que o que está sendo solicitado é solicitado porque se acredita nele. E se acredita de forma não mercenária (troca). Mas é preciso acreditar no se você está fazendo. Por exemplo, aqui está se fazendo substancialmente o que tem que ser feito, apesar de 'eu' discordar em algumas coisas. Ao mesmo tempo, o que se faz não é porque o senhor “mercado” impõe, e não temos escolha.

3. Por isso eu creio que há uma crise de credibilidade. A sociedade está muito mais complexa, mas a arte de governar é algo mais do que a administração das coisas. É a capacidade de fazer de uma sociedade plural em suas ideias, diversa nos sentimentos de identidade e contraditória em seus interesses, um projeto comum que interesse a todos em maior ou menor grau. Essa é a arte de governar o espaço público que partilhamos.